sábado, 28 de maio de 2011

História Objetiva: Joãozinho e os frutos ( Fabi...vc vai amar!)


Joãozinho e os frutos (adaptação Taty Amaral)

Numa manhã de sábado, João foi para o jardim da sua casa. É um menino bem esperto e gosta de fazer novos amiguinhos, porém, mesmo tendo muitos amiguinhos, ele sempre era tomado por uma grande tristeza. A tristeza dele era tão grande que ele ficava assim por horas.

Quando de repente surge diante dele um lindo e cheiroso frutinho que diz: Olá garoto, por que você está tão triste assim?

Joãozinho pergunta: Quem é você?

O frutinho responde: Sou um frutinho muito especial e estou aqui para ajudar você. Ahh... quero te apresentar uma amiga!

- Olá, sou a alegria!
Joãozinho diz: Alegria??? Hum, até parece que você existe!

Alegria responde: Existo sim, olha eu aqui. Você está me vendo? E posso morar no seu coração.

Joãozinho replica: Eu, é ruim, hein?! Você não me conhece, não conhece minha vida e nem minha família. Ontem mesmo, teve uma confusão daquelas na minha casa. Mamãe e papai não se entendem nunca. Vivem brigando.

Diz Alegria: Por isso mesmo você precisa de mim. Pois mesmo quando estiver mal, Deus lhe dará alegria e a certeza de que tudo dará certo.

Aparece um outro fruto e fala: Ei, eu também quero me apresentar. Sou a paz e se não tivermos paz, acontece o que aconteceu em sua casa... brigas, desrespeito e um montão de coisas ruins que a gente vê por aí. Não é verdade?!

Joãozinho responde: Ah, então fiquem aqui comigo. Eu preciso muito de vocês e meus pais também.

Entra a Longanimidade e pergunta: Amor, não vai me apresentar seu amiguinho?

Amor responde: João, essa é a Longanimidade.

João meio confuso pergunta: Longa... o quê??! Que nome difícil você tem!

Longanimidade: Eu sou a Longanimidade, também conhecida como paciência. Estou presente no coração daqueles que sabem esperar.

Joãozinho fala: Esperar? Eu? nem na fila da cantina. Dona Longa... sei lá o quê. Na escola, eu vou ficar esperando? Cheio de fome? Nunquinha mesmo! Teve um dia que até briguei por causa disso.

Longanimidade insite em convencer João e diz: Mas, João... não pode ser assim, você tem que ser paciente...

João responde: Paciente? nem pensar... só em falar em ter paciência eu fico nervoso!

Aparece a Mansidão, já perguntando: Tem alguém nervoso aí? Se tiver... é com a gente mesmo!

Pergunta João: Quem são vocês?

_ Eu sou a Mansidão
_ Eu sou o Domínio Próprio

João pergunta curioso: Mansidão? Domínio Próprio? Pra que vocês servem?

Mansidão responde: Para acalmar coraçõezinhos nervosos como o seu.

Completa o Domínio Próprio: E ajudar a todos a controlarem suas vontades.

Joãozinho não entende e pergunta: Como assim?

Domínio Próprio explica: Você já fez algo que não gostaria de ter feito?

Joãozinho responde: Sim, como no dia em que menti e desobedeci minha mãe. Ela ficou tão chateada comigo.

Continua Domínio próprio: Então?! Se eu estivesse presente, você teria dominado a vontade de mentir e desobedecer sua mãe.

Mansidão fala: Joãozinho... você já brigou com seus amigos?

João responde: Jáaa... muitas vezes, por causa de pipa, de bola, do Mengão e até por causa do lanche.

Mansidão adverte João: Não faça isso! É tão bom vivermos bem com as pessoas...

_ É... pelo visto eu preciso de todos vocês. Eu não faço nada certo...

Aparece a Bondade e diz: Faz sim! Se lembra daquele dia em que você e sua mãe separaram algumas peças de roupa e comida e levaram para os desabrigados?

João: Eu me lembro!!!

Bondade continua: Nesse dia você estava com o seu coração cheio de bondade e de benignidade. Eu sei... porquê eu estava lá.

Benignidade: Eu sou a Benignidade. Eu e a minha amiga Bondade andamos juntas e ficamos felizes com você. E Deus também se agradou muito de você naquele dia.

João contente fala: Que bom que Deus ficou feliz comigo! Mas... eu nunca vou conseguir ser totalmente dele. Eu brigo muito, faço muitas coisas erradas. Deus não vai me aceitar.

Lá vem a Fidelidade afirmando: Vai sim! Ele é fiel e se você for também fiel, Ele irá te ajudar e disso eu entendo, pois sou a Fidelidade. E se Ele estiver com você, e então não será como é. Você terá condições de abandonar as coisas erradas e não fazê-las mais.

João diz: Vocês não me conhecem e estão aqui tentando me ajudar. Como isso é possível?

Amor responde: É possível sim Joãozinho, pois todos eles estão comigo. O fruto que fez Deus sacrificar o seu único filho por você e por toda a humanidade.

Joãozinho bem esperto fala: Só agora me dei conta, você chegou, apresentou todos os seus amigos mas não disse quem é você!

Amor se apresenta: Eu sou o Amor e nesta manhã eu e meus amigos desejamos estar sempre com você. Você quer isso?

João decide: Eu quero! O que tenho que fazer?

Amor explica: Você precisa aceitar ao Senhor Jesus e convidá-lo para morar no seu coração e nós iremos juntos. Ainda que você não consiga nos olhar com os olhos, tenha certeza que estaremos ali, através do Espírito Santo.

João fala: Então... eu aceito o Senhor Jesus e aceito os frutos dele também!

A partir daquele dia a vida de João foi transformada. Seu comportamento mudou. Por causa dele, seus pais aceitaram a Jesus e ele passou a ser muito feliz. O mesmo pode acontecer com você também. Basta aceitar a Jesus como o seu Salvador e desejar ardentemente o seu Espírito. É só você querer.

 
 

Um comentário: